segunda-feira, 30 de maio de 2011

Uma cartilha sobre os empregos e desempregados - por Walter Block*

Com a economia do emprego e do desemprego constantemente discutida nas páginas de negócios e campanhas políticas, vamos voltar nossa atenção para os fundamentos e erradicar algumas falácias.

Se a mídia nos diz que a abertura da fábrica XYZ criou 1.000 novos empregos, damos um elogio. Mas quando a empresa ABC fecha e 500 postos de trabalho são perdidos, nós ficamos tristes. O político que pode fornecer um subsídio para salvar ABC é quase garantia de apoio generalizado do público pelo seu trabalho na preservação de empregos.

Mas o trabalho em si não garante o bem-estar. Suponha-se que o emprego seja para cavar buracos profundos e aterrá-los novamente? O que acontece se os trabalhadores fabricam bens e serviços que ninguém quer comprar? Na União Soviética, que se gabava de dar a cada trabalhador um emprego, muitos desses empregos foram improdutivos. Produção é tudo, e o trabalho não é apenas um meio para este fim.

Imagine a Swiss Family Robinson em uma ilha deserta no deserto do Mar do Sul? Eles precisam de emprego? Não, o que eles precisam é de comida, roupas, abrigo e proteção contra os animais selvagens. Cada posto de trabalho criado é uma subtração do mercado de trabalho. Os trabalhos têm que ser racionados, não criados, de modo que o mercado pode criar o máximo de produtos possíveis da oferta limitada de trabalho, bens, capitais e recursos naturais.

O mesmo é verdade para a nossa sociedade. A oferta de trabalho é limitada. Não devemos permitir que o Estado crie postos de trabalho, caso contrário ele não irá criar os bens e serviços necessários, que podem nascer sem intervenção estatal. Reservamo-nos o valioso trabalho para as importantes tarefas que ainda restam por fazer.

Imagine um mundo onde as rádios, pizzas, tênis e todos os outros bens caiam do céu como um maná. Será que nós queremos empregos em tal utopia? Não, nós poderíamos nos dedicar a outras atividades que nos dariam maior prazer, tais como, estudar, jogar basquete no sol, etc.

Em vez de elogiar o trabalho em si, temos de perguntar porque o trabalho é tão importante. A resposta é porque existe escassez econômica e temos de trabalhar para viver e prosperar. Essa é a razão pela qual devemos comemorar apenas o tipo de trabalho que produz bens que as pessoas realmente dão valor, ou seja, produtos que as pessoas esperam comprar com o seu próprio dinheiro suado. E isso é algo que só pode ser feito no livre mercado e não em um mundo de burocratas e políticos.

Mas e sobre o desemprego? O que acontece se as pessoas querem trabalhar mas não conseguem encontrar emprego? Em quase todos os casos, os programas de governo são a causa do desemprego.

Salário Mínimo: Leis de salário mínimo argumentam que os salários devem ser fixados e determinados pelo Estado. Para explicar o que é prejudicial, podemos usar uma analogia da biologia: existem certos animais que são fracos em comparação com os outros. Por exemplo, o porco-espinho é indefeso, exceto pelos espinhos; o cervo ou veado são vulneráveis, exceto pela velocidade.

Em economia, há pessoas que também são relativamente fracas. As minorias deficientes, os jovens, os inexperientes, as pessoas sem instrução, todos são atores economicamente fracos. Mas esta fraqueza, como no reino animal, é compensada com uma habilidade especial: A capacidade de trabalhar por salários mais baixos. Quando o estado proíbe esta habilidade, forçando os salários para cima, é como se o porco-espinho ficasse despojado de seus espinhos. O resultado é o desemprego, o que cria desesperada solidão, isolamento e dependência.

Imagine um jovem, alguém, sem educação, sem qualquer qualificação, cuja produtividade é de US$ 2,50 dólares por hora, dependendo do preço de mercado. E se o Legislativo aprovar uma lei exigindo que ele seja pago US$ 5 dólar por hora? Se o empregador contratá-lo iria perder US$  2,50 por hora.

Considere um homem e uma mulher, cada um com uma produtividade de 10 dólares por hora, e supondo que, por causa da discriminação ou o que quer que seja, o homem receba US$ 10 dólares por hora e a mulher receba US$ 8  dólares por hora. É como se a mulher tivesse um pequeno sinal na testa dizendo: "Contrate-me e ganhe um extra de US$ 2 dólares  por hora."

Isto faz dela um funcionário desejável, mesmo para o patrão machista. Mas quando uma lei de igualdade de remuneração prevê que ela deve receber o mesmo que o homem, o empregador pode conceder as suas tendências discriminatórias e não contratá-la, sem nenhum custo para si mesmo.

Valor discriminação qualitativa. E se o Estado surge com a brilhante idéia de que os enfermeiros e motoristas de caminhão recebam o mesmo piso salarial porque seu trabalho é "inerentemente" de igual valor? Manda que os salários dos enfermeiros sejam majorados para o mesmo nível, isso vai gerar desemprego para as mulheres.

Condições de Trabalho: As leis que obrigam empregadores manter certos tipos de condições de trabalho também criam desemprego. Por exemplo, os catadores de frutas e produtos hortícolas imigrantes devem ter água corrente, quente e fria em seus banheiros temporários modernos. Isso é economicamente equivalente às leis salariais, porque, do ponto de vista do empregador, condições de trabalho são quase indistinguíveis dos salários em dinheiro. E se o governo lhes obriga a pagar mais, ele vai ter que contratar menos pessoas.

Sindicatos: Quando o Estado obriga as empresas a contratar apenas trabalhadores sindicalizados, que discriminam os trabalhadores não-sindicalizados causam uma deficiência grave ou desemprego permanente. Os sindicatos existem principalmente para impedir a concorrência. Eles são um cartel protecionista como qualquer outro Estado.

Proteção do emprego: Leis de proteção do emprego, que dizem que ninguém pode ser despedido sem o devido processo, supostamente para proteger os trabalhadores. No entanto, se o governo diz ao empregador que ele deve manter o empregado, não importa como, ele tenderá a não contratá-lo em primeiro lugar. Esta lei, que parece  ajudar os trabalhadores, em vez disso os impede de emprego. E assim como impostos trabalhistas e encargos sociais, que aumentam os custos para as empresas, desencorajam a contratar mais trabalhadores.

Impostos sobre Salário: Impostos sobre a renda, como a Segurança Social, impoem pesados ​​custos financeiros e administrativos para as empresas a aumentar dramaticamente o custo marginal para criar novos empregos.

Seguro desemprego: O Estado causa desemprego  do bem estar subsidiando ociosidade. Quando um comportamento é subsidiado, neste caso não funciona, então vamos aumentar esse comportamento, a ociosidade.

Licenças: Regulamentação  de licenciamentos causam desemprego. A maioria das pessoas sabe que os médicos e os advogados devem ter licenças. Mas poucos sabem que um criador de falcões, e um produtor de morangos também devem tê-las Na verdade, o Estado controla mais de 1.000 tipos de profissões nos Estados Unidos. Uma mulher na Flórida que criou uma cozinha de sopa para os pobres em sua casa, foi fechada recentemente como um restaurante sem licença, e muitas pessoas pobres hoje passam fome, como resultado.

Quando o Estado aprova uma lei dizendo que certos trabalhos não podem ser realizados sem uma licença, ergue uma barreira legal à entrada. Por que deveria ser ilegal para alguém tentar montar um salão de cabeleireiro, por si só? O mercado irá fornecer as informações necessárias ao consumidor.

Quando o Estado confere um estatuto legal de uma profissão e passa uma lei contra a concorrência, cria o desemprego. Por exemplo, quem influencia as leis que impedem o estabelecimento legal de cabeleireiros? A indústria de corte de cabelo, não para proteger o consumidor de cortes de cabelo ruim, mas para se proteger contra a concorrência.

Venda ambulante: Leis contra vendedores ambulantes impedem as pessoas de venderem alimentos e produtos para as pessoas que os querem. Na cidade de Nova York e Washington, os maiores causadores de problemas contra os ambulantes são os restaurantes e lojas de departamentos.

Trabalho Infantil: . Há muitos trabalhos que requerem pouco treinamento, como cortadores de grama que, são perfeitos para os jovens que querem ganhar algum dinheiro. Além do salário, o trabalho também ensina aos jovens o que é um trabalho, como lidar com dinheiro, e como talvez até mesmo investir. Mas na maioria dos lugares, o governo discrimina os adolescentes e os impede de participar no sistema de livre empresa. Crianças não podem mesmo ter uma banca de limonada ha esquina..

O Banco Central (Federal Reserve). O Banco Central cria ciclos economicos e estes levam ao desemprego. A inflação não apenas aumenta o preço, também reduz a oferta de postos trabalho. Durante a fase de "boom" do ciclo econômico, as empresas contratam novos trabalhadores, muitos dos quais são extraídos de outras linhas de trabalho por um salário mais alto. O subsídio do FED para essas indústrias dura até a explosão do boom econômico. Então, os trabalhadores são demitidos e os postos de trabalho destruídos.

O Livre Mercado: O livre mercado, é claro, não significa utopia. Vivemos em um mundo de inteligência e habilidades diferentes, das preferências do mercado em mudança, e de informação imperfeita. Isso leva ao desemprego temporário, o que Ludwig von Mises chamou de "cataláxia". E alguns escolhem o desemprego e, em seguida, conseguem um emprego com salários mais elevados.

No entanto, como sociedade, podemos assegurar que todos os que querem trabalhar tem a chance de fazê-lo, revogando leis de salário mínimo, a discriminação do valor qualitativo, as leis sobre condições de trabalho, filiação obrigatória em sindicatos, leis de proteção ao emprego, impostos sobre o trabalho, seguro desemprego do governo, regulamentos, licenças, leis anti-tráfico, leis contra o trabalho infantil e contra a criação de dinheiro do Estado.O caminho para a criação de emprego, de fato, só é possível através do livre mercado.

*Walter Block é membro sênior do Mises Institute e professor de economia da Loyola University, New Orleans

4 comentários:

Anônimo disse...

Típica cartilha neoliberalista. O mercado é feito de pessoas meu caro. E a verdade é que as pessoas são cruéis. Consequentemente o mercado também é cruel. Livre mercado é crescimento a qualquer custo e como as pessoas são burras e só sabem obter lucro através da exploração, então quanto maior o crescimento, maior a exploração.

Olavo Carneiro Jr - Consultor em Relações do Trabalho disse...

Caro Anônimo

Sinto desapontá-lo, mas a cartilha é anarco-capitalista. Que pessoas são cruéis? Eu, você? Estamos incluídos nessa? rs. Além disso a crueldade é inerente às pessoas, o mercado em si não pode ter esse atributo. Lucro através da exploração é pura retórica, isso não existe, a dicotomia Capital X Trabalho é vigarice marxista que a Escola Austríaca de Economia demoliu lá no início do século XX, reduzindo-a a pó. A julgar pela sua mensagem, suponho que você se sente explorado. A solução é simples, troque de emprego. Ao menos que você seja servidor público.... será???

Anônimo disse...

A nomeclatura não importa, a ideologia é a mesma, só está mascarada em outro nome. O velho blá blá blá de deixar o mercado se auto-regular. Retirar o controle do estado. Eu acho que você se engana quando tenta destacar o mercado como um organismo a parte. O mercado é sim as pessoas. Quem produz, quem compra, quem gere, são as pessoas. Não existe uma mão invisível por trás do mercado,tudo gira em torno de interesses de algo ou alguém. Por tanto, o mercado pode muito bem herdar os atributos de quem o controla. A sociedade evolui como um todo. Tudo que é construído e convencionado ideológicamente, é fruto do conjunto atual dos seus valores. E com sociedade eu quero dizer todos! Eu e você incluidos. Retórica ou não, a exploração existe, e não é só financeira. É psicológica e física. O mercado explora a maneira como as pessoas pensam, a maneira como as pessas falam, a maneira como as pessoas aprendem, como elas andam, como elas comem, o mercado explora tudo que pode lhe agregar valor monetário, até extrair o último centavo. O mercado gera indivíduos que geram mais lucro e não individuos que geram mais bem estar social. Enquanto isso a escola austríaca, assim como todas as escolas por ai a fora, através desses mesmos individuos, criam mais e mais camadas de conceitos complexos, mascarando verdades simples sobre o trabalho e sobre o consumo. Criando a ilusão em mim e em você de que "ter", e não "ser", é o caminho para a felicidade. Funcionário Público? Não, você passou longe. Também não sou estudante de ciências socias, se isso veio a sua mente, rs. O meu título na verdade não importa, eu quero dizer que sou apenas uma pessoa, dessas que eu descrevi ai em cima, tentando ser menos individualista. Um abraço.

Olavo Carneiro Jr - Consultor em Relações do Trabalho disse...

Caríssimo Anônimo

Mas é claro que a nomenclatura importa, mesmo porque não existe "neoliberalismo", esse foi termo inventado pela esquerda ou,se preferir, pelo pensamento revolucionário. Você insiste no termo "exploração" em pleno século XXI!!! Saia dessa armadilha, amigo! Leia o que Eugen Böhm Bawerk escreveu sobre a mais valia que você vai entender. O mercado não escraviza muito menos explora, pois é justamente o ponto de equilíbrio, quem escraviza sim é a mão pesada do Estado e do governo quando oferece seguro desemprego e outras benesses paternalistas. O brilhante texto do Walter Block se refere à brutal intervenção estatal nas relações de trabalho e olha que ele está se referindo aos Estados Unidos, aonde tudo funciona ( ou melhor, funcionava antes do Obama) perfeitamente. Imagine aqui no Brasil com a ultrapassada e fascista CLT, leis complementares, sindicatos avoengos, paternalismo estatal e aquele monstrengo chamado (in)justiça trabalhista, aonde juízes vagabundos brincam de deuses se fazendo paladinos dos coitadinhos reclamantes, oh seres injustiçados pelos patrões "exploradores". Resultado disso? Desemprego!!!!! Dificuldade de se criar postos de trabalho. Quem cria mais postos de trabalho, você sabe? São os micro-empresários e as pequenas empresas, mas há muito tempo já deixaram de fazê-lo porque estão sendo quebrados pelos juízes trabalhi$$$tas, beócios a serviço de uma causa inútil. Você não me parece da área de RH por isso fala sobre o que desconhece.