terça-feira, 10 de maio de 2011

A área de enfermagem vai mal da saúde

Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei nº 2295/2000 que, se aprovado, irá reduzir e fixar a jornada de trabalho de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem em seis horas diárias e trinta horas semanais. Atualmente a jornada é de oito horas diárias e considerada “excessiva” pelo Cofen. Naturalmente que os profissionais em atividade terão a jornada reduzida sem redução de salário. O que isso significa na prática? Demissão e desemprego, ao contrário do que diz o secretário geral do Cofen, que se aprovado o projeto, aumentará o número de vagas na área.

Na verdade, secretários de conselhos profissionais e de sindicatos são muito bons em deitar falação sobre o que não sabem e péssimos em economia empresarial e legislação trabalhista. Da pesada carga tributária trabalhista nada sabem, pois se soubessem não defenderiam assim mais esse projeto estapafúrdio. As empresas não deverão manter em seus quadros esses profissionais que terão a jornada reduzida sem diminuição salarial, mesmo porque, fere o pacto laboral assinado na ocasião da admissão.

Mas por que será que o Cofen considera a atual jornada de oito horas excessiva? O próprio secretário do Cofen responde com essa pérola: “A enfermagem é um trabalho no qual o profissional convive com o sofrimento, além de ser muito técnica (grifo meu), o que causa desgaste.” É pra rir ou pra chorar? Será que existem profissões muito ou pouco técnicas? Será que só a área de enfermagem convive com sofrimento? A dedução então que se segue de tão brilhante raciocínio, é que profissões muito técnicas e que convivem com o sofrimento carecem de jornada reduzida.

O que ocorre na verdade é o seguinte: O setor de enfermagem de um hospital é muito caótico e praticamente inadministrável. É preciso um chefe de enfermagem muito atuante para controlar o oba oba do setor. É muita conversa mole pelos corredores e de serviço mesmo é muito pouco. Esses profissionais têm tempo de sobra (sobretudo a equipe do turno da noite), até para brincarem no Facebook e pausas, muitas pausas para longos cafés e bate papo na cozinha. Que sofrimento, não? E é notório que o tratamento dispensado aos pacientes por esses profissionais não é lá dos melhores.

É bom lembrar que dados recentes do Coren-SP, a cada 2 dias um profissional de enfermagem é acusado de erro, sendo que entre 2005 e 2010 foram 980 queixas, 250 delas só ano passado; desses casos, 20 causaram morte ou dano definitivo. Vai dizer que é a “duríssima” jornada de oito horas de "muita técnica" convivendo com o sofrimento? Não, é a péssima formação e a falta de interesse do profissional em continuar estudando, muitos sem a mínima vocação para a área, sendo que, o que mais os atraem na profissão é a indumentária branca que lhes conferem um certo grau de "status". Enquanto isso, o Cofen quer a redução da jornada de trabalho! Tudo leva a crer que a área de enfermagem vai mal da saúde

24 comentários:

Anônimo disse...

que legal que voce entende bem sobre a profissao;AGORA QUERO LER o que realmente interessa:se nao fossem esses profissionais que reclamam como qualquer outro trabalhador,seriam os medicos com seu "status" a cuidar do povo?ou voce criaria uma nova profissao?atenciosamente:clara auxiliar de enfermagem

Olavo Carneiro Jr - Consultor em Relações do Trabalho disse...

Prezada Clara:

Acredito que a busca do aperfeiçoamento através do estudo, pesquisa, leituras e cursos é bem mais produtivo do que reclamar. Quem muito reclama, pouco trabalha.

Eu não criaria uma nova profissão, extinguiria a de auxiliar de enfermagem.

Att

Anônimo disse...

Para quem se especializou em gestão de pessoas, você está deixando a desejar junto a uma categoria importantíssima para esse país. Não faça julgamentos, nem menospreze conhecimentos que não possui. A Enfermagem é uma profissão digna e seus profissionais querem respeito!!!Para trabalhar com vidas, e não com papéis, é preciso um desprendimento muito grande. A carga horária é de 12 horas diárias e ainda não piso nacional !!!!30 horas é mais do justo. Não se formam mais auxiliares de enfermagem, pois a profissão já foi extinta. Há muitos doutores, mestres e especialistas em enfermagem por aí. Não use um exemplo ruim para denegrir toda uma classe, senão, como seria com a sua?? Pense nisso quando você ou um familiar seu estiver num pronto socorro ou num CTI. A medicina cuida da doença, a enfermagem trata o doente.

Olavo Carneiro Jr - Consultor em Relações do Trabalho disse...

Prezado(a)

Agradeço a sua participação nos comentários, pena que ela nada acrescenta, além de passar ao largo do tema central do artigo que é a redução da jornada de trabalho. Comentarei rapidamente a suas colocações:

"Para quem se especializou em gestão de pessoas, você está deixando a desejar"

R: Na sua visão, deixei a desejar porque escrevi um artigo baseado em estatísticas e fatos concretos que não lhe agradaram. Naturalmente que se meu artigo tecesse loas à profissão de enfermagem, com certeza, eu não deixaria a desejar.

Você diz que enfermagem é uma categoria importantíssima.

R: Por acaso existe alguma profissão que não seja? Enfermagem é uma profissão como outra qualquer e tão importante quanto.

"A Enfermagem é uma profissão digna e seus profissionais querem respeito"

R: Por acaso existe profissão que não seja digna? Ao fazer essa afirmação presume-se que você conheça alguma profissão que não o seja.

Querem respeito? Como? Injetando vaselina líquida ao invés de soro na corrente sanguínea de uma criança? Respeito se conquista.

"Não use um exemplo ruim para denegrir toda uma classe"

R: Se fosse um exemplo apenas eu não teria escrito esse artigo. Você conhece a sigla OMS? Acredito que não. Siginifica Organização Mundial de Saúde. Consulte os relatórios ( que estão redigidos em inglês) sei que vai ser difícil, mas pelo menos tente e se informe qual a causa do maior número de óbitos no MUNDO.

"A medicina cuida da doença, a enfermagem trata o doente."

R: Em tese isso soa bonito, pena que na prática não funciona. E por que não funciona? Porque a tese está incorreta, ou seja, a medicina nem sempre cuida da doença se cuida mal.

"Não faça julgamentos, nem menospreze conhecimentos que não possui."

R: Não confunda conhecimento com informações, estatísticas e fatos concretos. Vejamos:

"Recém-nascido recebe injeção na artéria da mão, quando o correto seria na veia. O bebê teve 4 dedos amputados."

"Auxiliar de enfermagem conectou mangueira de inalação no braço de uma criança de 1 ano e oito meses provocando morte por embolia."

" Paciente foi ao hospital fazer um exame gastrointestinal e teve o parte do braço direito amputado por receber uma injeção mal aplicada por um enfermeira."

" Auxiliar de enfermagem injetou leite materno na veia do bebê ao invés de sonda nasal causando a morte do mesmo".

Paro por aqui porque a lista é longa. Não inventei nada disso, são dados que estão disponíveis no Coren.

E para terminar, recentemente prestei consultoria para hospital particular e o que vi na área de enfermagem é caso de polícia!! Eu disse hospital particular, imagine se fosse público! Será que a enfermagem trata mesmo o doente? Não, eu creio que não.


Att

Anônimo disse...

REALMENTE VCS TÊM TODA RAZÃO DE DIZER QUE "A ÁREA DE ENFERMAGEM VAI MAL DA SAUDE". SERA QUE NESSE CASO POR QUE NÃO DIZEMOS QUE O MUNDO TODO VAI MAL. VOCES SABEM POR QUE? POR QUE É A CLASSE MAIS DESVALORIZADA DO MUNDO, EU NÃO SEI QUAL É A CAUSA QUE LEVA ELES ODIAR TANTO ESSA CLASSE DE TRABALHADORES, JÁ QUE É ELES QUE CUIDAM DOS PACIENTES. OLHA O ERRO É HUMANO ISSO PODE ACONTECER COM QUALQUER UM SER HUMANO, OU SEJA, PODE ACONTECER UM EPISODIO COM AS PESSOAS DE QUALQUER ÁREA DE SERVIÇO. NOS NÃO DEVEMOS JULGAR PARA QUE NÃO SEMOS JULGADOS

Anônimo disse...

Olá!
Sou Técnico de Enfermagem há muitos anos e concordo com tudo que você fala sobre a enfermagem,faço cursos e estudo por minha conta e minha avaliação é igual ao do meu colega vagabundo, tem gente que não quer nada com nada, não querem se qualificar e causam danos aos pacientes, vivem só no oba oba, se fosse feita uma avaliação rigorosa 90% dos quadros teriam que ser demitidos por imprudência, e o sindicato só defende essa gente, o cofen e corens nem se fala...só querem saber de política.

Anônimo disse...

Quem está na área sabe..... pensa quantos sabados e domingos de plantão com 6 bebês em uma UTI cirúrgica, um com torax aberto, ou com 4 crianças em isolamento e um com Dialise Peritonial de 30 em 30 min....E o que o Coren faz ? Sendo que o permitido e 1 isolamento. A sobrecarga de trabalho influência muito.... E depois a enfermagem é que é ruim, ninguém investiga esta parte, é mais facil falar mal do profissional.

Olavo Carneiro Jr - Consultor em Relações do Trabalho disse...

Prezado(a)

Vou discordar de você: Não é somente quem está na área é quem sabe, O RH dos hospitais também sabe e acompanha de perto o que acontece.

Você leu a postagem e não entendeu. Se a classe pretende redução da jornada, assim seja, desde que seja também reduzida a remuneração, nada mais justo.

Att

Letícia Naveira Ferreira disse...

Gente que vergonha estes comentários, Sr. Olávo Carneiro, consultor...o senhor não passa de mais uma estatística, não agrega nada importante neste site. Valoriza demais coisas bem desnecessárias quando deveria usar este espaço para somar algo de útil, afinal, acredito que deveria ser este o propósito de alguem que tem um espaço na internet. O errar é uma característica dos seres humanos, e como qualquer profissão acontecem fatalidades. Hummm... vou explicar um pouquinho melhor, pois tu tens dificuldades para entender alguns problemas sociais e de pessoal. Motoristas causam acidentes INFELISMENTE, engenheiros e arquitetos contrõem e organizam estruturas fora do padrão permitido e causam catástrofes. Cabelereiras fazem cortes que simplesmente não combinam com o biotipo de suas clientes, um erro!!
Dirigentes partidários e políticos desviam verbas importantes que fariam muita diferença para a população e trazem danos irreversíveis a um país como o nosso,em fim. Um erro para quem trabalha na área da saúde, que É UMA PROFISSÃO BEM DIFERENTE DAS OUTRAS,e TAMBÉM MUITO IMPORTANTE, POIS ESTAMOS TRATANDO COM VIDAS,COM PESSOAS, é um erro EFETIVAMENTE GRAVE,afinal O NOSSO ERRO MATAA,e por isso que é importante o nosso conhecimento científico, técnico e também espiritual.
Muito infeliz estes teus comentários pois são estatísticas ridículas...iguais as usadas por exemplo, pelo Ex Presidente Fernando Collor, quando tínha um índice de aceitação em nosso país de 30% numa disputa com outros 4 grandes nomes brasileiros para o cargo eleitoral. Acabou ganhando a disputa em razão de acusações baixas que instigavam a opinião da população em relação a um assunto tão polêmico como o aborto. E vejam só, hoje o derrotado adversário de Collor é um dos presidenciáveis mais respeitados no mundo, uma popularidade que chega a 70% em nosso país...e isso conquistado com CONHECIMENTOOO!!!
"E eu, que durante tantas vezes fui acusado de não ter um diploma superior, ganho o meu primeiro diploma, o diploma de presidente da República do meu país." LULA.
Este é apenas um exemplo de um fato importante que agrega um sentimento de conquista, vontade,e expectativa nas pessoas. Traz uma idéia diferente da realidade conservadora e antiga,que oprime, abafa...esconde,enfim,desvaloriza e minimiza a real importancia dos fatos.
Os profissionais da área da saúde, especialmente os da enfermagem, devem ser mais valorizados sim. A carga horária de 6 deve ser reduzida para 5 horas, afinal estamos expostos a doenças e ambientes extremamente contaminados, o que não nos impede de acordar todos os dias para nossa estressante rotina. Todas as profissões são sem dúvidas importantes, mas assim como é importante que nosso pessoal esteja bem qualificado e devidamente treinado, preparado para esta rotina, importante também é, que sejamos valorizados enquanto profissão diferenciada e de completo risco e exposição, inclusive a superexposição, nos casos sitados pelo Sr. Olavo, de técnicas de enfermagem injetando soluções e medicamentos em locais errados. Seria mais humilde da sua parte admitir que tanto como nossos benefícios como nossas derrotas devem ter o mesmo peso.
Como este é um espaço democrático, não pude deixar de manifestar minha indignação.Repudío a toda e qualquer discriminação feita covardemente por indivíduos que não dominam a problemática na saúde pública, e se houver uma pessoa que com sua opinião traga algo relevante, por favor se manifeste, mesmo que negativamente ok, mas não podemos esquecer que as críticas também ajudam a construir.
Meu Nome é Letícia Naveira Ferreira e sou graduanda do curso Noturno de Enfermagem, pois trabalho oito horas em um Posto de saúde na cidade de Novo Hamburgo RS, que abraça uma população de 88 Mil pessoas, somos referencia em pronto atendimento. Obrigada.
Email: Leticianaveira@hotmail.com

Olavo Carneiro Jr - Consultor em Relações do Trabalho disse...

Dona Letícia:

Lamentavelmente seu relato só depõe contra você e reflete justamente o nível intelectual sofrível de uma profissional da área da enfermagem. Infelizmente. Vejamos alguns pontos:

- Você é mais uma que leu e não entendeu a postagem, pois, faz uma confusão dos diabos misturando assuntos que nada tem a ver com o que escrevi.

- Os dados estatísticos são dados do próprio Coren-SP, não fui eu quem os inventei e são fatos inquestionáveis, falam por si. Portanto não são as estatísticas que são ridículas, mas a negligência dos profissionais que alimentou as estatísticas.

- Comparar os erros de outras profissões com erros cometidos pelos profissionais de enfermagem é o fim da picada. Pessoa não é chuveiro, nem ferro elétrico, muito menos um punhado de cabelos. É isso que estão lhe ensinando no curso de graduação? Tratar os pacientes como se fossem um corte de cabelo executado por uma cabeleireira? Tenha dó!

- Seu relato tem mais blá blá blá político ideológico esquerdopata do que propriamente a defesa da profissão que você escolheu.

- Novo Hamburgo/RS não tem "88 mil pessoas", mas 239 mil, de acordo com o Censo-IBGE de 2010. Você é mal informada e desatualizada da realidade. Acorda!

- Você escreve muito mal, não domina o idioma, castiga a gramática sem dó nem piedade (Infelizmente é com "Z" e não com "S"), tem uma terrível dificuldade em interpretar uma simples postagem de um blog.

- Portanto, Letícia, diante disso, só me resta lhe perguntar: Como você consegue interpretar um texto técnico da sua área e colocá-lo em prática se você mal sabe escrever e tem enorme dificuldade em compreender um texto de 2.700 caracteres? Hein??

Escolha outra profissão, Léticia. Com certeza os 239 mil habitantes de Novo Hamburgo vão respirar aliviados!

Letícia Naveira Ferreira disse...

Acho sinceramente que tenta se defender o tempo inteiro ao invés de acumular algo importante, e mais uma vez apresenta uma grande dificuldade em entender coisas escritas com clareza, MEU POSTO DE SAÚDE ABRANGE 88 MIL HABITANTES E NÃO NOVO HAMBURGO Sr. Olavo! e não me opus em momento algum as suas estatísticas e sim a forma deplorável como vc as coloca em seu texto, por isso a comparação . A verdade é que escreve ridiculamente e apela para chamar a atenção, e justamente me chamou a atenção Sr. Olavo pq pensei que tinhas algum propósito, algum ideal, mas ja percebi que és oco como uma grande árvore podre. Que pena, o senhor seria mais útil para a sociedade. Acho definitivamente, que precisa de livros de auto ajuda, de um psiquiatra e de uma vaselina na veia....pq só ocupa lugar no espaço.
Obrigada pelo retorno, Letícia.

Olavo Carneiro Jr - Consultor em Relações do Trabalho disse...

Letícia

Eu nao tenho que me defender de nada, não sou enfermeiro que cometi negligências profissionais em questão e ainda assim pede redução da jornada de trabalho. Eu teria vergonha de pleitear uma indecência dessas!

Quanto mais você escreve, mais você passa recibo de analfabeta funcional, ou seja, sabe ler mas não compreende o que lê. Se você soubesse interpretar textos saberia que este blog é um trabalho absolutamente voluntário ( você sabe o que é isso?) o qual existe desde 2008 e que já prestou esclarecimentos diversos sobre a complexa legislação trabalhista para milhares de pessoas físicas e jurídicas. Basta conferir a seção de comentários.

Para uma futura profissional da sáude indicar livros de auto ajuda ( é isso que você lê??) e praticar vidência( ou vigarice, dá no mesmo) on line é sinal que realmente essa área já se encontra em estado de coma.

Mas se isso te consola, na área de enfermagem pessoas como você, infelizmente, representam a regra e não a exceção e isso só confirma a minha postagem.

Letícia Naveira Ferreira disse...

Sr. Olavo, então vá fazer um trabalho voluntário mais útil, dentro de um hospital por exemplo. Assim, quem sabe, o senhor aprende alguma coisa de útil, o que já deveria ter ocorrido, pois gasta seu tempo ofendendo e menosprezando uma categoria indispensável, dentre outras coisas. Espero que assim, consigas compreender efetivamente alguma coisa... e reivente uma nova profissão então, PARA NÃO VIRAR CHACOTA NA INTERNET!!!
Vou ficando por aqui, não pretendo gastar meu tempo com pessoas ignorantes, ultrapassadas, que ACHAM que selecionar funcionário é administrar o mundo....Vou estudar,pq com certeza vou acumular mais do que aqui neste humilde e me perdõe se é um trabalho de longos anos...mas é um PROJETO DE BLOG...Aprenda a ligar com as críticas amigo, tem horas em que devemos ouvir um pouquinho ok, foi um prazer.

Olavo Carneiro Jr - Consultor em Relações do Trabalho disse...

- Sinto desapontá-la novamente, mas trabalhos voluntários já são úteis por definição não existindo aquele que possa ser mais útil do que o outro.

- Quem não soube lidar com a crítica foi você, pois a postagem que fiz sobre a área profissional na qual você (infelizmente) atua, lhe desagradou profundamente a tal ponto de comparar os gravíssimos erros dos profissionais de enfermagem ( como por exemplo, o da enfermeira que injetou vaselina na veia ao invés de soro, em uma menina de doze anos causando a morte da mesma) com um simples corte de cabelo executado por uma cebeleireira. Isso beira a psicopatia!

- Mil vezes prefiro ser "chacota na internet", do que ter minha credencial caçada pelo Conselho de Classe por ter cometido irresponsavelmente gravíssima negligência profissional.

- Tudo que você escreveu está nos comentários. E preste bem atenção no que você escreveu. Eu não vou apagar. E também não poderia deixar de lhe perguntar:

Será que se algum paciente lhe desagradar por qualquer motivo que seja, você também recomendará a ele vaselina na veia? Pois eu não tenho nenhuma dúvida da sua resposta.

monick disse...

É realmente lamentável alguns fatos ocorridos, e os responsáveis tenho certeza que foram punidos Sr. Olavo.

Agora tenho certeza que a enfermagem não é a única que possui um grupo de profissionais que infelizmente não fazem um bom trabalho e por falta de conhecimento ou de não sei o que cometem tais atrocidades, a enfermagem é como qualquer outra profissão como o senhor mesmo diz, e como tal merece também o respeito e não um julgamento baseado em fatos isolados. A partir disto pense que na sua profissão também possuem maus profissionais e nem por isso venho aqui ou em qualquer outro lugar denegrir a imagem dela, porque não posso ser generalista.

Quanto a jornada de trabalho falo a você que não conhece o trabalho da categoria que passe talvez uma semana acompanhando a jornada de trabalho destes profissionais e depois vê no final do mês o salário para assim fazer alguma afirmação, comentário ou crítica.

Quando falamos do que não conhecemos geralmente nos equivocamos Sr. Olavo, e peço encarecidamente que reavalie seus conceitos antes de denegrir a imagem de toda uma classe, garanto que você não ficaria nada satisfeito se fizessem isso com a sua.

Att. Dr. Enf. Monick Castro

Olavo Carneiro Jr - Consultor em Relações do Trabalho disse...

Prezada "Dr Enf. Monick Castro"

Apreciei o seu comentário, é bastante pertinente em muitos pontos os quais concordo com você em gênero, número e grau. No entanto, tenho que discordar em dois pontos equivocados da sua parte. Vejamos:

a) Quem disse a você que não conheço o trabalho da categoria? Eu não só conheço a jornada de trabalho da categoria de enfermagem, bem como, todas as outras categorias possíveis e imagináveis, tenho por obrigação conhecê-las e estudá-las todas, pois é tema fundamental da minha área de atuação. Além disso, já atuei no RH de grande hospital particular (imagine se fosse da rede pública!) por algum tempo e fiquei horrorizado com o que vi no setor de enfermagem. O que eu escrevi não foi invenção ou ficção, foi baseado em fatos concretos, dados reais, pesquisa, estudo e estatísticas. Portanto, Monick, eu sei muito bem do que estou falando. Por isso sou contra os argumentos usados para justificar ou pleitear a redução da jornada. Conheço de cor o acordo coletivo da categoria e sei que o salário normativo não é nada mau.

B) A enfermagem é sim uma profissão como outra qualquer mas que tem um objetivo que a diferencia anos luz das outras: Ela trabalha com a vida das pessoas e parece-me que esse importante detalhe está passando em branco pelos profissionais que atuam nessa área e estão tratando pessoas como ferro elétrico ou ventilador. As pessoas não estão se formando nessa área por vocação. E qual o motivo disso? Você tem essa resposta? Porque eu tenho.

Se você reparar em outras postagens, verá que há muitos artigos sobre o apagão de talentos também em outras profissões. E quanto à minha área de atuação, não fico nem um pouco ofendido ao tomar de conhecimento de maus profissionais que atuam em RH, pois esta área também está contaminada de gente medíocre e eu sou o primeiro a reconhecer, tanto que dentro em breve estarei postando um artigo sobre o apagão de talentos que também atingiu essa área.

Att

joao disse...

boa noite olavo gostaria de saber se quem trabalha 3 vezes na semana registrado quando cai feriado no dia do trabalho se eu posso ficar em casa ou tenho que trabalhar

Sussurros ao luar disse...

Olá, boa tarde.
Meu nome é Ana gostaria de contratar uma pessoa para trabalhar 2 vezes na semana em minha casa, seria no caso segunda e quinta-feira.
Pretendia pagar o valor de 500 reais mais vale transporte, queria saber se estaria agindo corretamente, se o valor está alto ou não.
E nesse caso como são apenas duas vezes na semana terei problemas em não assinar a carteira?
Desde já agradeço uma resposta.
Ana Paula

Eliane Mendes disse...

Eliane...técnica de enfermagem.Sou da área há 24 anos e graças a Deus, somente,nunca errei feio.Agora,em relação ao Sr,sinto-lhe pena e nojo de seres do seu tipo,que se acha o dono do mundo e que acha que sabe tudo.Deve ter estudado tanto,me explica pra q? Seus comentários sim são vazios e de uma pobreza sem fim.E eu,se pudesse,extinguiria a sua raça,não sua profissão,pois se tira a laranja podre,não o fardo todo.E reze bastante pra um dia não cair nas mãos de um profissional que,por infelicidade ou quem sabe,por provação,e esse não injete algo errado em sua veia,depois de uma longa e cansada jornada de trabalho e aí,será tarde pra enxergares a realidade.Ta aí,esse sim é retardado e idiota,não quem assisti o desenho animado do pica-pau.

Olavo Carneiro Jr - Consultor em Relações do Trabalho disse...

Prezada Eliane

O seu comentário foi extremamente infeliz, pois, só corrobora o que eu escrevi. Você passou recibo de analfabeta funcional, ou seja, sabe ler, mas não compreende o que lê. Imagine só você interpretar um texto técnico de sua área? Será que você consegue? A julgar pelo seu comentário, creio que não. Tudo que escrevi eu não inventei, está respaldado por fatos e estatísticas do próprio COREN. Vá aprender a escrever e tome algumas aulas de interpretação de texto.

Pingo Feliciano disse...

é vejo que de bate papo vc entende quero ver osr encarar um pronto socorro lotado sem segurança e ganhando menos que um ajudante de obras fora os benefícios , mas como eu disse falar é fácil o sr tá mais pra político do que do que uma voz que fala sobre direito

Olavo Carneiro Jr - Consultor em Relações do Trabalho disse...

Caro sr. "Pingo"

Bom, alguém que se apresenta com esse nome não é digno de respeito, mas vamos relevar.

Pronto socorro lotado? Você queria o que? PS é isso mesmo, gente chegando acidentada, baleada, enfartada, esfaqueada, atropelada. O pessoal que atende em PS presume-se que seja treinado para isso. Você quer moleza num PS???

Ganhando menos que um ajudante de obras? Se esse é problema então vá ser ajudante de obras, sr. Pingo. E para colocar os pingos nos is, melhor você mudar de profissão porque a remuneração é só consequência. Em qualquer profissão, a vocação vem antes, o dinheiro vem depois.


ELY ARAUJO disse...

Ridículo as ofensas, as defesas...
Caro senhor, infelizmente a enfermagem vem cometendo negligência, imprudência e imperícia absurdas. Realmente existem péssimos profissionais de pouca ou nenhuma qualificação, mas os erros advêm também de uma série de fatores que estão presentes no ambiente de trabalho, em consequência de uma estrutura organizacional inadequada, na forma de gerenciamentos, na demanda de pessoal (sobrecarga de trabalho), na carga horária elevada.
Não estou defendendo os erros cometidos. Simplesmente fico triste pela sua generalização, existem profissionais excelentes na enfermagem.
A nossa jornada de trabalho é excessiva sim, isso desgasta o individuo tanto emocional quanto físico. Precisa ter a redução da nossa carga horária, melhor se não diminuísse o salário, o nosso piso salarial já estar devassado. Talvez o resultado não seja o que queremos, mas é uma luta nossa, merecemos respeito.
Quanto à economia empresarial, legislação trabalhista, carga tributária trabalhista, deixa os responsáveis resolver isso, você não é do nosso lado e sim contra. No entanto, respeito o seu ponto de vista, afinal é um Consultor Trabalhista, atuando há 25 anos em Relações do Trabalho.
Porém, se aprovada às 30 horas semanais creio que contribuirá para uma assistência de qualidade ao cliente, mas também tenho noção que para isso é necessário qualificação contínua, processo seletivo justo, gerentes de enfermagem capacitados para o exercício, equipamentos e suporte que possam subsidiar a realização do trabalho, acompanhamento médico dos profissionais, pois, também adoecemos e a enfermagem é uma das profissões mais estressantes (não justifico os erros).
A profissão de enfermagem é um trabalho com penosidades, com rodízios de escalas de turnos noturnos e diurnos, duplas ou triplas jornadas de trabalho, em função da baixa remuneração, envolvimento com os limites humanos, dor, doença e morte. Ainda convivem com a desvalorização de seu trabalho, condições insalubres no ambiente laboral, geralmente perigoso, exposição à violência por parte dos funcionários, chefes e clientes (MORENO et al apud MEDEIROS, 2011).
Outra, como dito por Elias e Navarro (2006), o próprio ambiente hospitalar é “insalubre, penoso e perigoso para os que ali trabalham”, no sentido material e subjetivo, em consequência das condições de trabalho precário e à baixa qualidade de vida. Trata-se de um local adoecedor tanto de ordem física quanto psíquica.
Trabalhos há 09 anos em um hospital do SUS, te digo: serviço tem muito e à vezes em excesso, mas existe um período pequeno de calmaria. Entretanto, a equipe não é surda, não é muda, ela se interrelaciona, conversa, interage, o serviço não fica sem fazer (minha convivência). No trabalho a noite tem épocas que não tem tempo de tirar a hora de descanso, mas se o tempo sobra como você afirma, que mal há em tomar um café? Não podemos comer, beber, conversar.
Não julgue todos profissionais de enfermagem como incompetentes, se precisar um dia dos nossos cuidados, qual seria a sua reação? Vai confiar ou não vai aceitar?
Não julgue todas as instituições hospitalares e a equipe de enfermagem de acordo a(s) sua(s) consultoria(s) realizada(s).

Andrea Gomes disse...

Sr Olavo Carneiro, gostaria muito de saber quanto o senhor ganha para defender tão arduamente a classe de trabalhadores, ops! digo ,"Empresários" , te parabenizo pelo seu trabalho, nota 10.
Sei que deve falar inglês fluentemente , estudado nas melhores escolas de fora do país, para hoje está publicamente denegrindo ainda mais a imagem desta classe , que tem erros sim , relatados em vários locais , mas e os teus acertos, eu mesma já reverti vários quadros que poderia virar óbito, e não vi escrito em nenhum lugar, mas é... salvar vidas não significa nada , pois não vende jornal,e não paga o teu salário. att. Andrea Gomes